Sabe quando você experimenta a bebida que vai te acompanhar pelo resto da vida e sente a sensação de que precisa agradecer a quem a trouxe até você? Mas isso não quer dizer que agradecerá a alguém que trouxe uma xícara de café para você. O intuito é agradecer a quem apresentou o café aos brasileiros, lá atrás.

Com isso, você começa a procurar quem poderia ter feito esse bem para o povo brasileiro. Corre atrás, lê daqui, lê dali, mas ainda assim fica na dúvida, porque as histórias contadas são meio contraditórias.

Se você deseja saber quem foi que trouxe o café para o Brasil e quer agradecer a essa pessoa, fique por aqui que logo ficará sabendo do gênio que fez essa façanha.


Como o café chegou ao Brasil?

Quando se fala de café, o Brasil é logo associado a ele, pois é o país que mais exporta café no mundo e, durante muito tempo, teve o café como o maior responsável pela sua economia.

Portanto, para falar sobre a origem do café no Brasil, é preciso voltar no tempo, até o século XVIII, em 1727, onde o Sargento-Mor Francisco de Melo Palheta o trouxe, a pedido do governado do Maranhão e Grão Pará, que o enviou às Guianas, para que pudesse trazer umas mudas de café. Naquela época, o café já possuia um grande valor no mercado.

Sargento-Mor Francisco de Melo Palheta
Sargento-Mor Francisco de Melo Palheta

Com isso, Palheta se tornou amigo da esposa do governador de Caiena, capital da Guiana Francesa, conseguindo conquistar a sua confiança. Dessa forma, conseguiu uma muda de café, de origem Arábica, de forma clandestina, sendo trazida escondida ao Brasil.

Como as condições climáticas são favoráveis no Brasil, o plantio do café se espalhou rapidamente, embora no início, a sua produção só tinha o intuito de servir o mercado doméstico. Logo passou por outros estados brasileiros, como Maranhão, Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Minas Gerais.

Num curto espaço de tempo, o café deixou de ser um produto de origem secundária, logo passando para o carro-chefe da economia brasileira. O seu desenvolvimento se deu de forma tão independente, utilizando-se apenas dos recursos nacionais, que logo foi alçada à produção de riquezas do país.

A produção de café no Brasil se expandiu a partir da Baixada Fluminense e do Vale do Rio Paraíba, que atravessava as cidades do Rio de Janeiro e de São Paulo.
Aproveitando-se da estrutura de escravidão que existia no país, foi instalado no país o sistema plantation, que tinha como características básicas a monocultura que tinha objetivo exportar, a mão de obra escrava e o cultivo nas grandes fazendas.

Com isso, em 1837, o café passou a ser o principal produto de exportação do país. E os grandes lucros que essa exportação causava eram direcionados aos fazendeiros, que eram quem mais ganhavam com a produção e exportação do café. Com isso, ficaram conhecidos como “Barões de Café”, onde ficaram responsáveis por sustentar financeiramente o Império que estava instalado no Brasil.

Imagem de Capa: Pintura de Henrique Cavalleiro - Foto do Francisco de Melo Palheta.

Veja também:

Origem do Café

Compartilhe esse artigo: